Eumolpo, Gitão e Encólpio

um triângulo de amor, humor e literatura no Satíricon, de Petrônio

Autores

  • Cláudio Aquati Universidade Estadual Paulista - São José do Rio Preto

Palavras-chave:

intertextualidade , Petrônio Árbitro , romance antigo romano , Satyricon

Resumo

Várias passagens do Satíricon apresentam como elementos complementares entre si o amor, o humor e a literatura. Nessas passagens, esse romance antigo romano mostra-se especialmente realístico e crítico em comparação não somente com obras de gêneros literários da Antiguidade tidos como gêneros elevados, entre os quais figuram epopeias e tragédias, mas, também, com obras de gêneros então marginais, entre os quais figuram as fabulae Milesiae e os romances de amor e aventura gregos, idealistas, como os Big Five. A justaposição de passagens literárias transformadas, torcidas, distorcidas e retorcidas pela criatividade petroniana em relação ao conhecimento canônico, que é natural que seu público possuísse, sugere estranhamentos e efeitos humorísticos na recepção, não raro aportando-lhe resultados cômicos cada vez mais intensos à medida que se aprofundam as interpretações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Aquati, Universidade Estadual Paulista - São José do Rio Preto

Professor Assistente de Língua e Literatura Latina na UNESP, Campus de São José do Rio Preto

 

Referências

ANÔNIMO. Historia Apollonii regis Tyri. Ed. SCHMELING, Gareth L. Leipzig: Teubner, 1988.

ANÔNIMO. História do rei Apolônio de Tiro. Tradução de Nicolas Pelicioni de Oliveira e Cláudio Aquati. 2021 (mimeo).

APULÉE. Les Métamorphoses. Texte établi et introd. par Donalt Robertson et traduit par Paul Vallette. Paris: Les Belles Lettres, 1965.

APULEIO. As metamorfoses de um burro de ouro. Tradução de Sandra. B. Bianchet. 1. ed. Curitiba: Appris, 2020.

AQUATI, Cláudio. Habinnas, amicus principis. In: IV Congresso Nacional de Estudos Clássicos. Ouro Preto: SBEC, 2001 (mimeo).

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética. São Paulo: Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho, Hucitec, 1988.

BECK, Roger. Eumolpus “poeta”, Eumolpus “fabulator”: a study of characterization in the “Satyricon”. Phoenix, v. 33, n. 3, p. 239-53, 1979.

BOCCACCIO, Giovanni. Decameron. Ed. I. C. Benedetti. Porto Alegre: L&PM Editores, 2013.

BOOTH, Wayne C. The rhetoric of fiction. 2ed. Chicago: The University of Chicago Press, 1983.

BRANDÃO, Jacyntho Lins. A invenção do romance. Brasília: Universidade de Brasília, 2005.

CONTE, Gian Biagio. The Hidden Author. An Interpertation of Petronius’ Satyricon. Translated by Elaine Fantham. Berkeley: University of California Press, 1996.

FELLINI-SATYRICON. Direção de Federico Fellini. Produção de Alberto Grimaldi. Roteiro de Bernardino Zapponi, Brunello Rondi, Federico Fellini. França, Itália: United Artists, Produzioni Europee Associati, 1969.

HABASH, Martha. The Introduction of Characters in Petronius. In: BELL, Sinclair W.; HOLLAN, Lora L. (org.). At the Crossroads of Greco-Roman History, Culture, and Religion. Oxford: Archaeopress Publishing Ltd, 2018, p. 133-54.

HARRISON, Stephen. The Milesian Tales and the Roman Novel. Disponível em http://users.ox.ac.uk/~sjh/documents/milesians.doc. Acesso em 07/05/2008.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin, Cia. das Letras, 2013.

LÉTOUBLON, Françoise. Les lieux comuns du roman. Stereotypes grecs d’aventure et d’amour. Leiden: E. J. Brill, 1993.

MOURA, José Miguel. A pertinência da crítica social no Satyricon: as três faces de Eumolpo. Boletim de Estudos Clássicos, v. 51, p. 49-59, 2009.

OLIVEIRA, Nicolas Pelicioni de. Hipótese acerca do desenvolvimento do romance antigo greco-latino a partir de uma análise da tópica do romance. História do rei Apolônio de Tiro. Tese (Mestrado em Letras). São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2019.

PANAYOTAKIS, Costas. A sacred ceremony in honour of the buttocks: Petronius, Satyrica 140.1-11. The classical quarterly, v. 44, n. 2, p. 458-67, 1994.

PANAYOTAKIS, Costas. Theatrum Arbitri: theatrical elements in the Satyrica of Petronius. Leiden: E. J. Brill, 1995.

PETRÔNIO. Satíricon. Tradução de Cláudio Aquati. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2021.

SCHMELING, Gareth L. A commentary on the Satyrica of Petronius. Oxford: Oxford University Press, 2011.

SCHMELING, Gareth L. The exclusus amator motif in Petronius. Fons Perennis. Torino: Baccola and Gili, p. 333-57, 1971.

SETAIOLI, Aldo. L’amour romanesque entre idéal et parodie: les romanciers grecs et Pétrone. Rursus, n. 4, 2009. Disponível em https://journals.openedition.org/rursus/295. Acesso em 13/01/2022.

SOLIN, Heikki. Onomastica petroniana. Il senso nascosto dei nomi nel Satyricon. Il Nome nel texto, v. 19, p. 315-28, 2017.

VIRGILE. Énéide. Édition bilingue, traduction du latin de André Bellessort, texte établi par Henri Goelzer. (2 v.) 7e. éd. Paris: Les Belles Lettres, 1952.

VIRGÍLIO. Eneida. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Brasília: Universidade de Brasília, Ed. A montanha, 1983.

WALSH, Patrick G. The Roman novel. Cambridge: University of Cambridge, 1970.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

Aquati, C. (2022). Eumolpo, Gitão e Encólpio : um triângulo de amor, humor e literatura no Satíricon, de Petrônio. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 35(2), 1–32. Recuperado de https://classica.emnuvens.com.br/classica/article/view/1014

Edição

Seção

Dossiê Eros e Afrodite no Romance Antigo