O trágico entre o conceito e a ação dramática: alcance e hesitações da filosofia do trágico

Gilmário Guerreiro da Costa

Resumo


O presente trabalho esforça-se por analisar e compreender a busca de uma inteligibilidade da tragédia ensaiada pela filosofia do trágico. Entre as dificuldades nesse percurso sobressaem as ligadas à elaboração do conceito de trágico, seja por se haver banalizado a ideia de tragédia, seja pela homogeneidade e fechamento peculiar ao conceito e às definições, assim revelando-se insuficiente para tocar os múltiplos planos de abertura de uma obra de arte. Por vezes semelhante especulação filosófica avizinhou-se de uma investigação pouco trágica do problema do trágico. Uma ideia fecunda e consistente de Peter Szondi concerne à afirmação do trágico enquanto ação dramática, e não uma essência abstrata. Não existe em si, mas enquanto cena. No limite, trata-se de prover meios para uma tragicidade do ato mesmo de ler.

Palavras-chave


Filosofia do trágico; Tragédia; Conceito; Ação dramática; Finitude

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓFANES. As rãs. In: ______. As vespas. As aves. As rãs. Trad. Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Ars Poetica, 1992.

BAILLY, Anatole. Le grand Bailly – Dictionnaire Grec-Français. Hachette: Paris, 2000.

BENJAMIN, Walter. Destino e caráter. Trad. Ernani Chaves. In: ______. Escritos sobre mito e linguagem. Trad. Susana Kampff e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2011.

BENJAMIN, Walter. Para uma crítica da violência. Trad. Ernani Chaves. In: ______. Escritos sobre mito e linguagem. Trad. Susana Kampff e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2011.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

BOLLACK, Jean; WISMANN, Heinz. Héraclite ou la séparation. Paris: Les Éditions du Minuit, 1972.

ÉSQUILO. Orestéia I: Agamêmnon. Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras/FAPESP, 2004.

HERÁCLITO DE ÉFESO. Fragmentos. Trad. José Cavalcante de Souza. In: SOUZA, José Cavalcante de (Org.). Os pré-socráticos. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os Pensadores)

JUDET DE LA COMBE, Pierre. Les tragédies grecques sont-elles tragiques? Paris: Bayard Éditions, 2010.

LIMA, Luiz Costa. Mímesis e modernidade: formas das sombras. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

PLATÃO. Sofista. Trad. Henrique Murachco, Juvino Maria Jr. e José Trindade Santos. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2011.

PLATÃO. Sophiste. Trad. Nestor L. Cordero. In: BRISSON, Luc (Org.). ______. Platão. Oeuvres completes. Trad. Luc Brisson et al. Paris: Flammarion, 2011.

SCHELLING, F. W. J. Cartas filosóficas sobre o dogmatismo e o criticismo. In: ______. Obras escolhidas. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores).

SCHELLING, F. W. J. Filosofia da arte. Trad. Márcio Suzuki. São Paulo: Edusp, 2001. (Clássicos).

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o trágico. Trad. Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.14195/2176-6436_26-1_5

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Gilmário Guerreiro da Costa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional