Ué, um Petrônio caipira? “O causo da muié de Éfis”

duas propostas de tradução variacional com comentários

Autores

  • Paulo Eduardo de Barros Veiga Universidade de São Paulo (USP)Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). http://orcid.org/0000-0002-1250-8237

Palavras-chave:

tradução literária , tradução variacional , caipira , Petrônio , A Matrona de Éfeso

Resumo

Apresentam-se duas traduções variacionais do episódio da matrona de Éfeso, extraído do livro Satíricon, de Petrônio (século I d.C.). Ambas as traduções, que partem do texto original latino, expressam-se mediante variantes linguísticas brasileiras e propõem equivalentes cômicos da obra romana. Especificamente, a primeira tradução procura representar uma variante da região do interior paulista como expressão materna. A segunda, de teor mais experimental, vale-se da imitatio do falar interiorano para provocar efeito de caipira, a partir dos descritores linguísticos que demarcam a variante. Dessa forma, procura-se demonstrar ser possível verter um texto antigo para uma variante sem incidir em possíveis preconceitos. Mais importante, deseja-se reavivar, em português caipira, a maestria cômica do arbiter elegantiae.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Eduardo de Barros Veiga, Universidade de São Paulo (USP)Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP).

Paulo Veiga é pós-doutorando do Departamento de Música da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (DM-FFCLRP), da Universidade de São Paulo (USP), com bolsa concedida pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), sob supervisão do Prof. Dr. Rubens Russomanno Ricciardi. Nesse momento, dedica-se ao estudo epistemológico de textos latinos da Idade Média sobre Teoria Musical. Fez o doutorado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (FCLAr), sob orientação do Prof. Dr. Márcio Thamos, com quem fez, também, o mestrado, na mesma faculdade. Neste período, recebeu apoio da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e foi contemplado pelo Programa ELAP (Emerging Leaders in the Americas Program) do governo canadense, tendo estudado na University of Winnipeg, província de Manitoba. No Doutorado, voltou-se ao estudo de Poética, Mitologia e Tradução, analisando hexâmetros de Ovídio sobre a Cosmogonia. No Mestrado, desenvolveu pesquisa acerca de Tradução e Crítica Literária, comparando versos de Virgílio e Ovídio sobre o mito de Orfeu e Eurídice. Possui graduação em Letras (Licenciatura e Bacharelado em Português e em Latim) também pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (FCLAr). Durante a Iniciação Científica, produziu relatórios científicos sobre Ensino de Latim e Metodologia e sobre Poética e Tradução, com foco em língua e literatura latinas. Já foi professor do curso de Letras (Licenciatura em Português e em Inglês) do Centro Universitário Moura Lacerda (CML), unidade sede, e do Centro Universitário Barão de Mauá (CBM), onde também foi editor da Revista Vocábulo; ambos localizados em Ribeirão Preto (SP). Como experiência pessoal, viveu em Londres (Reino Unido), de 2011 a 2012, onde frequentou a instituição Princes College, voltada ao estudo da língua inglesa. Atualmente é sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC) e participa do Grupo de Pesquisa LINCEU - Visões da Antiguidade Clássica (cadastrado na base dos Grupos de Pesquisa/CNPq) e do Núcleo de Pesquisa em Ciências da Performance em Música (NAP-CIPEM).

Referências

ABREU, Luís Alberto de; CARVALHO, Luiz Fernando. Hoje é dia de Maria. Roteiro baseado na obra de Carlos Alberto Soffredini. São Paulo: Globo, 2005.

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialektik der Aufklërung. Frankfurt: Fischer, 1969 [1944].

AMARAL, Amadeu. O dialeto caipira. São Paulo: Parábola, 2020 [1920].

AMARAL, Amadeu. O dialeto caipira. In: AMARAL, Amadeu. Obras de Amadeu Amaral.

ed. São Paulo: Hucitec/INL-MEC, 1982. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bi000004.pdf. Acesso em: 3 fev. 2021.

AQUATI, Cláudio. O grotesco no Satíricon, de Petrônio. Classica, v. 19, n. 2, p. 245-56, dez. 2006. Disponível em: https://revista.classica.org.br/classica/article/view/118. Acesso em: 06 ago. 2020.

AQUATI, Cláudio. Petrônio: ‘Cena Trimalcionis’, estudo e tradução. 1991. Dissertação (Mestrado em Letras). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

AQUATI, Cláudio. Posfácio. In: PETRÔNIO. Satíricon. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 223-39.

BERLIM na batucada. Direção de Luiz de Barros. Rio de Janeiro: Cinédia S. A., 1944, (100 min.).

BIANCHET, Sandra Maria Gualberto Braga. Contos de magia, sedução e monstruosidades nos romances Satyricon de Petrônio e Metamorphoseon de Apuleio. Nuntius Antiquus, Belo Horizonte, n. 06, p. 89-96, dez. 2010. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/nuntius_antiquus/issue/view/128. Acesso em: 29 abr. 2021.

BILAC, Olavo. Poesias. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1964.

BRAGA, Rubem. O conde e o passarinho & Morro do Isolamento. Rio de Janeiro: Record, 2002.

BVECHELER, Franciscus. Petronii saturae et liber priapeorum. Quartum edidit. Berolini: Weidmannos, 1904. Disponível em: https://archive.org/details/petroniisaturae00varrgoog. Acesso em: 29 abr. 2021.

CALDAS, Waldenyr. Revendo a música sertaneja. Revista USP, São Paulo, n. 64, p. 58-67, dez.-fev. 2004-2005. [Dossiê Brasil Rural]. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13390/15208. Acesso em: 02 jan. 2021.

CASCUDO, Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, [s. d].

CONTE, Gian Biagio. Latin literature: a history. Translated by Joseph B. Solodow. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1999.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, M. de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

MARTINS, Nilce Sant’Anna. O léxico de Guimarães Rosa. São Paulo: Edusp, 2001.

MOURA, Alessandro Rolim. Questões de gênero literário no Satyricon. Letras, Curitiba, n. 45, p. 41-51, 1996. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/19056/12361. Acesso em: 29 abr. 2021.

MUGNAINI JR., Ayrton. Adoniran: dá licença de contar... São Paulo: Editora 34, 2013.

OVIDE. L’art d’aimer. Texte établi et traduit par Henry Bornecque. Paris: Les Belles Lettres, 2008.

PÉTRONE. Le Satiricon. Texte établi, traduit et annoté par Alfred Ernout. Paris: Les Belles Lettres, 2009.

PETRÔNIO. Satíricon. Apresentação Raymond Queneau. Tradução e posfácio de Cláudio Aquati. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

PIRES, Cornélio. Musa caipira. As estrambóticas aventuras do Joaquim Bentinho (o Queima-campo). Tietê: Prefeitura Municipal, 1985.

PORTINARI, Candido. Enterro na rede. 1944. Óleo sobre tela, 180,5 x 220,7 x 2,5 cm. Disponível em: https://masp.org.br/acervo/obra/enterro-na-rede. Acesso em: 03 jan. 2021.

PORTINARI, Candido. Enterro. 1959. Óleo sobre tela, 24,5 x 33,5 cm. Disponível em: http://www.portinari.org.br/#/acervo/obra/2928/detalhe. Acesso em: 03 jan. 2021.

RICCIARDI, Rubens Russomanno. Cantor e Cantor de microfone – discussão conceitual sobre música, música popular e indústria da cultura. Revista da Tulha, v. 06, n. 01, p. 110-39, jan.-jul. 2020.

RICCIARDI, Rubens Russomanno. Indústria da cultura, esnobismo e vanguarda: três obstáculos hoje à composição musical. Revista da Tulha, v. 01, n. 02, p. 361-405, jul.-dez. 2015.

ROMANCE de uma caveira. Intérpretes: Rolando Boldrin/ Ranchinho. Compositores: Ranchinho/ Chiquinho Salles/ Alvarenga [1940]. In: CAIPIRA. Intérprete: Rolando Boldrin. São Paulo: Som Brasil, 1981. 1 LP, estéreo, faixa 3.

ROSA, Guimarães. Sagarana. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971.

SEVERIANO, Jairo; MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. 85 anos de músicas brasileiras. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 1: 1901-1957.

SILVA, José Maria. As batalhas de Itararé. História e Causo. Itararé: Tipografia Itararé, 1997.

TACITE. Annales. Texte établi et traduit par Pierre Wuilleumier. Paris: Les Belles Lettres, 1949. t. 4.

TERRACOTA Funerary plaque. 520-510 B.C. (Greek, Attic). 26 x 36.2 x 0.9 cm. Disponível em: https://www.metmuseum.org/art/collection/search/254801. Acesso em: 03 jan. 2021.

TERRACOTA Krater (Vase). 750-735 B.C. (Greek, Attic). 108.3 cm (H), 72.4 cm (D). Disponível em: https://www.metmuseum.org/art/collection/search/248904. Acesso em: 03 jan. 2021.

THAMOS, Márcio. Do hexâmetro ao decassílabo – equivalência estilística baseada na materialidade da expressão. Scientia Traductionis, n. 10, Florianópolis, p. 201-13, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/scientia/article/view/1980-4237.2011n10p201/20013. Acesso em: 02 jan. 2021.

Downloads

Publicado

14-09-2021

Como Citar

Veiga, P. E. de B. (2021). Ué, um Petrônio caipira? “O causo da muié de Éfis” : duas propostas de tradução variacional com comentários. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 34(2), 1–21. Recuperado de https://classica.emnuvens.com.br/classica/article/view/959

Edição

Seção

Traduções